quarta-feira, 29 de abril de 2009

Férias 2003 - A Partida

Partimos de Vigo com destino ao Algarve, a noite continuava bem quente e a MJ de vez em quando tinha umas crises de tosse de tal forma que lhe chegava a dar vómitos. O nosso ritmo de viagem era um ritmo calmo, afinal pressa não existia e ainda era de madrugada, por isso e não só, optei por fazer o percurso sempre por estrada nacional, dessa forma poupava dinheiro, quer em portagens quer em gasolina.

Ao passarmos em Afife junto ao parque de campismo , as bermas da estrada estavam lotadas com carros estacionados, deveria ter muita gente na discoteca que fica junto ao parque de campismo da Gelfa. Um pouco mais à frente, em Viana do Castelo começaram a cair umas pingas, mas aquilo nem parecia chuva tal a fraca frequência com que pingava, só que foi o suficiente para me sujar o carro .

A minha atenção na estrada redobrou quando fiz o bocado do IC1 entre Modivas e o aeroporto, devido aos gravíssimos acidentes que ali têm acontecido, eu tenho algum receio em passar por ali. Saímos para a Exponor, a MJ queria dormir um pouco e como tinha um cobertor na mala do carro achei que seria melhor parar de forma a que ela se arranjasse para se sentir mais confortável e assim fizemos, depois disso retomamos a estrada pois ainda tínhamos muitos km pela frente.

Como o ritmo de viagem era calmo a gasolina ia render imenso, o que era bom sinal. Apanhamos a A1 até aos Carvalhos e ali saímos para a Nacional 1,o transito quase não existia por isso andava-se muito bem. Perto de Lourosa uma operação stop feita pela Gnr, como eu nunca fui mandado parar pela policia no território nacional, certamente que não seria desta. E não foi.Um pouco mais à frente percebi o porquê da operação stop naquele local, é que bem perto tinha uma discoteca, a discoteca Kiay. Nós seguimos o nosso caminho pois já tínhamos tido os nossos momentos de luzes , cor, fantasia e libido.

Em determinados momentos ficava um pouco complicado conduzir devido ao forte nevoeiro, mas felizmente que esses bancos de nevoeiro eram localizados e de pequena dimensão.

A MJ ia tentando dormir e por vezes adormecia mesmo, mas era um sono com duração escassa, ela normalmente não dorme em viagem, pelo menos comigo, mas desta vez começava a não resistir e o sono por momentos conseguia vence-la.

Coimbra já estava para trás, perto do Pombal avistei de novo policia, só que desta vez os motivos da presença deles prendia-se com um acidente, apenas vi um carro capotado no jardim de uma casa, não sei se tinha acontecido à muito ou pouco tempo, se tinha resultado feridos ou não. Alguns km depois de Pombal voltei a fazer uma pequena paragem para tirar mais algumas coisas da mala, também me apercebi que ali naquela região existe um clube nocturno com mulheres e que tem um painel luminoso anunciando isso mesmo.

Ao passar por Leiria deu para ver um pouco do colorido que vai marcar o novo estádio de Leiria, o estádio é bem visível da estrada nacional, a MJ estava entregue ao mundo dos sonhos e fantasias, eu desejava que ela tivesse bons sonhos. Desta vez ela pegou mesmo no sono, até ressonava. Eu também me começava a sentir um pouco pesado de tal forma que para fugir ao percurso um pouco complicado da estrada nacional 1 optei por “fugir” para a auto estrada e iria nela até à saída para Vila Franca de Xira, dessa forma também poderia parar na área de serviço de Aveiras de Cima. A MJ ficou no carro e eu fui tomar um café, ao Wc e também aproveitei para lavar a cara. O café estava morno, mas quente no preço. Comprei também uns donuts para mim e para a MJ, ela pediu algo salgado, só que não tinha nada em condições por isso optei pelos donuts, mas nem esses eram frescos, a sua dureza era sinal que já tinham alguns dias.

De regresso á estrada, já me sentia mais “fresco” a MJ também despertou e a partir dali voltou a fazer-me companhia total. O dia também já tinha nascido há algumas horas, estava um dia um pouco cinzento apesar do sol por vezes furar por entre as nuvens. Depois do calor do dia anterior, o dia de hoje estava a nascer bem mais fresco. Saímos da A1 e fomos para a nacional 10, a estrada que faz a ligação entre Vila Franca de Xira e a Marateca. Estávamos a passar na zona de Pegões quando telefonei ao Paulo, aí fiquei a saber que ele estava a pensar em regressar a casa neste mesmo dia, isso inviabilizava a ideia que tinha de irmos ter com ele, por isso rapidamente decidi com a MJ em voltarmos ao nosso plano inicial que era ficarmos em Vila Nova de Milfontes.

Quem começava a precisar de abastecimento era o carro, mas ainda dava para fazer uns bons km, por isso fui andando no mesmo ritmo que tinha vindo até aqui, um ritmo calmo, sem puxar muito pelo carro, e já tínhamos feito km suficientes para fazer uma viagem de Valença ao Algarve, já tinha perto de 800 km feitos e ainda nem a Milfontes tínhamos chegado.



1 comentário:

  1. nada como percorrer o país.....
    Sempre em movimento

    ResponderEliminar